EcogeneticsN Células Plus 120 cápsulas

Suplemento nutrigenómico para células

EcogeneticsN Células Plus 120 cápsulas

59.90 com IVA

Células PLUS é um dos mais eficazes suplementos nutrigenómicos para proteger as suas células e a sua saúde. Esta fórmula é extraordinariamente rica em polifenóis que ajudam o corpo a manter níveis de energia mais elevados, protegem o sistema cardiovascular, promovem uma melhor digestão e uma pele mais saudável. 

  • Reforça sistema imunitário

  • Modela a função hormonal, anti-inflamatória e anti-tumoral

  • Ajuda na desintoxicação do fígado e promove o seu funcionamento

  • Ajuda a inibir a metastização

Em stock

Descrição

Células Plus é um suplemento alimentar que apresenta uma revolucionária formula, extremamente rica em polifenóis, para indivíduos que desejam aumentar os níveis de energia e vitalidade, proteger o sistema cardiovascular, promover uma melhor digestão e uma pele mais saudável. 

É um suplemento ideal para acompanhar tratamentos do cancro, devido às suas propriedades inibidoras da angiogénese e, consequentemente, a metastização. É também um excelente suplemento para quem deseja reforçar o sistema imunitário e desintoxicar o fígado. 

O Nrf2 (NF-E2-Related Factor 2), um factor transaccional em humanos que se encontra codificado no gene NFE2L2, regula a expressão de um conjunto de genes desintoxicantes e antioxidantes que protegem o corpo das devastações produzidas pelo stress oxidativo . Num estádio de não stress, o Nrf2 está “ancorado” no citoplasma pelo seu inibidor específico – Keap1 (Kelch-like ECH-Associated Protein 1). O Keap1 funciona como um sensor para os oxidantes e os xenobióticos eletrofílicos. Na presença de qualquer dessas substâncias, o Keap1 desiste da sua função de inibição e liberta o Nrf2, o que vai permitir que este se acumule no núcleo e se una com o ARE (Antioxidant Response Element) localizado nos potenciadores dos genes-alvo. Nestas circunstâncias, o Nrf2 promove a libertação de uma variedade de enzimas antioxidantes e proteínas desintoxicantes. O referido factor nuclear derivado-eritóide 2 fator relacionado-2 (Nrf2)(a defesa celular primária contra os efeitos citotóxicos do stresse oxidativo), um membro do Cap “n“ (CNC) da família de região-leucina básica de proteínas (bZIP), desempenha, assim, um papel importante na mediação da expressão génica ARE (Antioxidante Response element). Além disso, a investigação tem demonstrado que o Nrf2 é um importante modulador da susceptibilidade à carcinogénese induzida por carcinogénico. O papel citoprotector do Nrf2 tem sido demonstrado na susceptibilidade de eliminar cancro em ratos; portanto, a ativação da sinalização do Nrf2 e a indução dos seus genes-alvo tornam-no um alvo nutrigenómico de eleição para a prevenção do cancro. Além disso, muitos fitoquímicos são fortes activadores do Nrf2, regulando as enzimas de defesa celular através da activação da via de sinalização do Nrf2. Já o sulforafano (SGS), um isotiocianato de ocorrência natural derivado de vegetais crucíferos, induz enzimas de fase 2 citoprotectoras, apoiando a resposta do corpo ao stress oxidativo e à inflamação. SGS poderá modificar resíduos de cisteína críticos de Keap1, levando à estabilização e activação da ARE através da Nrf2, induzindo enzimas de fase 2. A investigação tem demonstrado que o sulforafano, através da indução de Nrf2, protege o cérebro contra lesões hipóxico-isquêmicas e pode melhorar a função cognitiva quando administrado após uma lesão cerebral traumática. Há evidência epidemiológica e biológica que suporta uma associação inversa entre o consumo de polifenóis e o risco de doenças cardiovasculares. Na investigação levada a cabo pela Predimed, em que foi avaliada, num estudo observacional durante um período de acompanhamento de quatro anos em indivíduos que consumiam uma dieta mediterrânea, a incidência de novos casos de doença cardiovascular, constatou-se que o consumo de polifenóis, a partir da ingestão de alimentos relatados, foi determinante e está associado a uma redução de 46% no risco de doença cardiovascular ao comparar, o quintil mais alto da ingestão de polifenóis alimentares, versus o quintil mais baixo da ingestão total de polifenóis. Entre os diferentes tipos de polifenóis alimentares, verificou-se que os flavonóides e ácidos de lignina e hidroxibenzóico apresentaram a associação inversa com o risco de doença cardiovascular. A classe de polifenóis, encontrada no chá verde, denominada flavonóis, melhorou a capacidade dos vasos sanguíneos para reagir às mudanças no fluxo sanguíneo em vários ensaios clínicos. A glucorapanina e o sulforafano da família Brassica de vegetais (que incluem brócolos, couves e couves de Bruxelas) demonstraram reduzir os níveis de colesterol e reduzir os níveis de inflamação através da ação antioxidante.  Os flavonóides citricos demonstraram ter propriedades anti-inflamatórias e são considerados cardio-protetores.  Ensaios clínicos recentes com extratos ricos em quercetina, demonstraram que ela pode reduzir a pressão arterial em indivíduos com hipertensão de baixo grau e melhorou a função do revestimento dos vasos sanguíneos. A salsa por exemplo é, também, uma fonte de compostos bioativos que se mostram antioxidantes e que ajudam a impedir que as plaquetas sanguíneas se aglomerem. Os polifenóis podem ter efeitos benéficos em diabéticos, um grupo de pacientes com risco elevado de Doença Cardiovascular. Num estudo de diabéticos do tipo 2, o consumo de flavonóides resultou em reduções significativas na resistência à insulina, numa melhoria da sensibilidade à insulina e uma diminuição dos níveis de insulina. O risco de doença cardíaca coronária estimada a 10 anos também foi reduzido após a intervenção dos flavonóides. 

Estes nutrientes podem ser agrupados de acordo com os seus alvos de saúde específicos:

1. Anti-tumorais (EGCG, Quercitina, Fitoesteróis, Scutellaria, Saw Palmetto, Curcumin, Cordyceps, Reishi)

2. Anti-angiogénicos e prevenção de metástases cancerígenas (EGCG, Scutellaria, Curcumin, Cordyceps, Reishi)

3. Desintoxicação e apoio hepático (Scutellaria, Isotiocianatos (bróculos), Curcumin, Saw Palmetto, Cordyceps, Reishi)

4. Modulação hormonal (Fitoesteróis, Scutellaria, Saw Palmetto, Curcumin, I3C)

5. Anti-microbianos (Scutellaria, Cordyceps)

6. Anti-inflammatórios e anti-oxidantes (EGCG, Quercitina, Curcumin, Scutellaria, Curcumin, Isotiocianatos (bróculos), Cordyceps, Reishi)

7. Regulação imunitária (Astragalus, Scutellaria, Curcumin, Cordyceps, Reishi).

Esta fórmula super exclusiva é concebida para:

1. Activar a via genética Nrf2 que regula a produção de antioxidantes importantes, como a glutationa e o superóxido dismutase (SOD), bem como enzimas de desintoxicação, incluindo a glutationa-S-transferase, enquanto que abaixa a regulação de factores inflamatórios, tais como o NF-kB;

2. Inibir a angiogénese e, consequentemente, a metastização;

3. Modelar a função Hormonal, anti-inflamatória e anti-tumoral;

4. Reforçar o sistema imunitário e desintoxicar o fígado. 

A fórmula do Células Plus inclui:

  • Astragalus: Trata-se de uma planta milenar utilizada na Medicina Chinesa e Ayurvédica para as infecções, inflamação comum das vias respiratórias superiores, alergias, fibromialgia, anemia, HIV / AIDS, e para fortalecer e regular o sistema imunitário. Ele é também usado para a síndrome da fadiga crónica (SFC), doença renal, diabetes e pressão arterial elevada. É hoje, ainda, utilizado em combinação com outras ervas, como por exemplo a Scutellaria baicalensis, por via oral, para o tratamento do cancro de mama, do colo do útero, do pulmão e da próstata. Vários estudos indicam que as saponinas e outros compostos botânicos abundantes nesta planta apoiam o comportamento das células da mama e da próstata saudável e reforçam a imunidade. O astragalus possui ainda um componente que aumenta o tamanho dos telômeros (parte terminal dos cromossomas que determina a longevidade). A evidência científica demonstra a capacidade do astragalus para melhorar o sistema imunitário e combater doenças, incluindo cancro e doenças do coração. Investigadores da Universidade do Texas – MD Anderson Cancer Center descobriram que o extrato de astragalus impulsionou a capacidade de destruição de células cancerígenas. 
  • Brócolo: Proporciona enzimas protectoras e favorece o funcionamento celular normal. 
  • Cordiceps: Tarta-se de um cogumelo oriental cujo principal componente activo, tem demonstrado possuir muitas actividades farmacológicas, incluindo a estimulação imunitária, anti-bacteriana, anti-viral, antioxidante, anti-inflamatória e anti-tumoral. Pode ser um benefício para apoiar pacientes com cancro e sobreviventes do cancro. A evidência disponível sugere que a eficácia do CS como um potencial agente terapêutico anti-neoplásico/anti-cancro está relacionada ao papel de activador da resposta imune inata. 
  • Cúrcuma: Favorece as funções hepáticas e digestiva. 
  • Fitoesteróis: Os esteróis vegetais, ou fitoesteróis, são substâncias estruturalmente semelhantes ao colesterol, mas que ao contrário deste, apenas se encontram naturalmente presentes em produtos de origem vegetal, como frutas, vegetais, leguminosas, frutos oleaginosos, sementes. O impacto dos esteróis vegetais na redução dos níveis de LDL e de colesterol total está relacionado com a diminuição da absorção de colesterol a nível intestinal. Uma vez que são estruturalmente semelhantes ao colesterol, os esteróis vegetais ligam-se aos transportadores de colesterol, sendo absorvidos no lugar deste. O colesterol que não é absorvido é eliminado via intestinal. 
  • Indole-3-carbinol: (I3C) é um fitonutriente sulfuroso que se encontra nas crucíferas, como os brócolos e que no organismo se converte em diindolylmethane (DIM) . O Indole-3-Carbinol tem uma forte acção anti-carcinogénica, nomeadamente ao nível do cancro da mama, ovário e da próstata, pela inibição da conhecida 16-alfa hidroxi-estrona, um tipo de estrogénio que causa danos no ADN e inibe a apoptose (morte celular programada) das células cancerígenas, provocando uma proliferação destas células tumorais podendo degenerar em metástases. O Indole 3-Carbinol mantém, também, o equilibrado balanço estrogénio/testosterona, sendo por isso fundamental para o sistema endócrino tanto da mulher como do homem. É ainda um potente antioxidante e desintoxicante hepático. Os estrogénios nomeadamente o estradiol pode converter-se em 2-hidroxi-estrona ou 16 hidroxi-estrona. A 16 hidroxi-estrona é altamente carcinogénica pois causa danos a nível do material genético das células (ADN) e inibe a apoptose (morte celular programada) das células cancerígenas. O I3C facilita a conversão de estradiol em 2-hidroxi-estrona reduzindo a taxa de conversão deste em 16-hidroxi-estrona e evitando, por isso, a actividade carcinogénica da mesma. A relação 2-hidroxi-estrona/16-hidroxi-estrona indica o risco da mulher de desenvolver cancro da mama e do ovário. Níveis de 2-hidroxi-estrona elevados predominam em mulheres com menos probabilidade de ter cancro, enquanto níveis elevados de 16-hidroxiestrona são mais frequentes em mulheres com cancro. Quando as células cancerígenas da mama são tratadas com I3C (in vitro), 90% delas param de crescer, sendo ou não dependentes de estrogénios. I3C reduz a incidência do cancro do cervix de 76 para 8% em ratos de laboratório, e inibe o crescimento do cancro da mama, de forma mais eficaz do que qualquer outro agente usado isoladamente. O I3C aumenta a concentração de 2-hidroxiestrona, e com isto a diminui a possibilidade de aparecimento de tumores na mulher e no homem.  O seu efeito no homem deve-se especialmente à capacidade de bloquear uma aflatoxina que promove o cancro da próstata, tornando-se por isso muito importante, também, na saúde do homem. Constatou-se que na maior parte das pessoas com cancro, o gene p53 está inactivado. Pela inibição de factores de crescimento (proteínas kinases), activando a actividade dos genes p53 e p21, facilitando assim a apoptose das células cancerígenas, o I3C pode ser um agente quimioterapêutico em diversos tipos de doenças malignas. Infelizmente devido ao empobrecimento dos vegetais, e pelo facto do consumo destes na sociedade moderna ser cada vez menor, a quantidade de I3C que podemos obter dos mesmos é muito reduzida. 
  • Quercetina: Protege os sistemas ósseo e cardiovascular.
  • Reishi: É um cogumelo oriental e um dos grandes tónicos moduladores imunitários e tem sido usada há séculos na Ásia em fórmulas nutritivas e promotoras do rejuvenescimento e que promovem a vitalidade e a longevidade. A investigação mais recente mostra, especificamente, que este poderoso fungo pode apoiar a saúde de pacientes com cancro. Também conhecido como Ling Zhi, este cogumelo apresenta os seguintes beneficios:
  1. pode trabalhar em sinergia para melhorar as propriedades de alguns medicamentos de quimioterapia e tratamentos de cancro por Imunoterapia;
  2. pode promover a função de inflamação normal, baixando a expressão do IL-6 e TNF alfa (interleuquina 6 e factor de necrose tumoral);
  3. pode ajudar a potenciar a função antioxidante natural do ADN ligada a danos genéticos devido ao stress oxidativo;
  4. pode melhorar o controlo do desenvolvimento e progressão de células tumorais;
  5. pode modular e promover a função imunitária normal. 
  • Saw Palmetto : É uma erva tradicionalmente utilizada para o tratamento dos sintomas de hiperplasia benigna da próstata.  Porém, alguns estudos “in vitro” têm encontrado que o Saw Palmetto inibe o crescimento de células cancerosas da próstata e pode induzir a apoptose. Os estudos em animais mostram que o Saw Palmetto inibe o crescimento de células tumorais, indicando que pode ser útil no tratamento, não só do cancro da próstata, mas outros, como o da mama. Outros estudos mostram que Saw Palmetto melhora os sintomas do trato urinário relacionadas com HBP. Embora estes estudos sejam promissores, são necessárias mais pesquisas para determinar se o Saw Palmetto é eficaz para estas condições. 
  • Scutellaria baicalensis : É uma planta usada há milhares de anos pela Medicina Chinesa. Possui efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes. Antimetastáticos: a agregação de trombócitos pode funcionar no mecanismo da acção anti-metastática. Foi observada uma correlação directa entre a actividade funcional de plaquetas, por um lado, e o grau de avanço dos tumores e a sua actividade metastática, por outro. O extracto de Scutellaria baicalensis demonstrou produzir um efeito normalizador mediado pela homeostasia plaquetária qualquer que seja o padrão de alteração, o que aponta para a actividade adaptogênica da planta. Esta atividade julga-se ser a responsável pelo efeito antitumoral e, em particular, dos seus efeitos de prevenção da metastização. Efeitos antimicrobianos: Num estudo de laboratório, a apigenina e a luteolina isoladas da Scutellaria baicalensis apresentaram atividade antibacteriana contra Staphylococcus aureus resistentes à meticilina. Atividade Antimutagénica: mostrou atividade antimutagênica em alguns estudos “in vitro”. (Num estudo, a Scutellaria baicalensis inibiu os danos no DNA em linfócitos, causada pelo material total de partículas de cigarro.  Numa série de estudos, de Wong et al., determinaram que a Scutellaria baicalensis inibia a mutagénese causada por benzopireno, no fígado de ratos.  Estes efeitos podem ser devidos à inibição da actividade do citocromo P450IA1-EROD.  Num estudo animal, a Scutellaria baicalensis inibiu o desenvolvimento de lesões pré-neoplásicas nas glândulas mamárias de ratos).   Atividade de inibição da aromatase: Num estudo “in vitro”, esta planta inibiu quer a aromatase livre quer a intracelular. Em dois estudos de mutagênese dos mesmos autores, a Scutellaria Baicalensis inibiu a mutagênese inibindo a mediação do metabolismo do CYP3 e CYP450IA1 (enzimas com função de oxidar xenobioticos). Apresenta, ainda, uma função hepatoprotectora contra hepatotóxicos(47,48). Atividade anti-hipoxia: ela pode evitar a diminuição da energia das mitocôndrias em hipóxia, inibir a restrição de energia dependente de succinato e preservar as membranas mitocondriais intactas (49). Propriedades antifúngicas.
  • Chá verde : Protecção contra radicais livres. Perda de peso, favorece a função celular, hepática e pulmonar arterial. 

Informação Nutricional:

Por 2 cápsulas: Quercitina (Sophora Japonica flores – 95% bioflavonoides) – 300 mg; Scutellaria Baicalensis extracto de raiz 5: 1 – 200 mg; Curcuma Longa Rizoma(estandardizado a 95% curcumina) – 200 mg; Astragalus (raiz – estandardizado a 16%) – 200 mg; Extrato de Chá Verde (folha -estandardizado a 95% polyphenols e 50% EGCG) – 200 mg; Reishi (Ganoderma Lucidum) Pó – 125 mg;Indol-3-carbinol (13C) – 200 mg; Bróculo (extrato 10: 1) – 200 mg; Complexo de fitoesteróis (6,53g de fitoesteróis por cada 100g de produto) – 150 mg; Cordyceps Sinensis(extrato 7% manitol) – 60 mg; Saw Palmetto Extrato (baga -estandardizado a 45% de concentração lipídica) – 60 mg

Antiaglomerante: Estearato de Magnésio vegetal; Cápsula vegetal: Hidroxipropilmetil celulose.

MODO DE TOMAR

Os adultos devem tomar 2 a 4 cápsula ao dia, ou segundo prescrição do seu profissional de saúde.

Apenas recomendado a menores de 18 anos segundo prescrição/recomendação médica/farmacêutica.

Não recomendado a grávidas ou lactantes.

OUTROS

Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado e equilibrado, bem como de um modo de vida saudável. Conservar em local seco, fresco e ao abrigo da luz. Manter fora do alcance das crianças. Não tomar em caso de hipersensibilidade a um dos componentes de cada produto. Não deverá exceder a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não são medicamentos. Em caso de dúvida, consulte o seu médico ou técnico de saúde.

Brand

Ecogenetics N

Nutrigenómica

Informação adicional

Peso 0.3 kg

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “EcogeneticsN Células Plus 120 cápsulas”

Também pode gostar…